Bem-vindo ao SENAR SERGIPE
(79) 3211-3264 | (79) 3214-6817

O que você procura?



A palma forrageira, planta rica em minerais e constituída por 90% de água, tem se tornado uma alternativa para alimentação do rebanho leiteiro no semiárido. Resistente à seca, a planta pode ser utilizada como forragem nas rações de rebanhos leiteiros. Contudo, para melhor aproveitamento da cactácea, é necessário adotar boas práticas de plantio, manejo e técnicas de colheita.

Para capacitar técnicos de campo, pesquisadores e analistas, como multiplicadores de tecnologias para reserva hídrica e alimentação animal, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Semiárido) promoveu os cursos “Atualização no manejo e uso da palma forrageira para rebanhos leiteiros da região semiárida” e “Novo enfoque tecnológico de convivência com o semiárido”, entre os dias 19 e 22 de julho, em Petrolina, no Pernambuco.

A palma como forragem para os animais ganhou espaço no semiárido devido à sua adaptação ao ambiente quente e seco e boa produção de massa verde. O assessor técnico da Comissão da Região Nordeste do Brasil, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Joaci Medeiros participou dos quatro dias de curso e explicou que, por conta da palma produzir 90% de água, o gado que se alimenta dela acaba consumindo quantidade menor de água, fato já comprovado em pesquisas científicas.

“Em uma região como o semiárido, onde a média de chuva anual varia entre 200 a 800 milímetros, qualquer tecnologia ou sistema que ajude a otimizar o uso da água na propriedade são bem vindos. A palma forrageira, além de nutrir e hidratar os animais, garante produtividade e rentabilidade para o produtor, mesmo no período intenso da seca”, destacou Medeiros.

Dirigido para os técnicos do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Sergipe (SENAR-SE), o curso também levou informações sobre tecnologias de reservas hídricas para economizar e aproveitar as águas das chuvas, que são evaporadas e escoadas superficialmente para o solo. As principais alternativas apresentadas foram as barragens subterrâneas (parede construída com utilização de lona plástica, para barrar o fluxo de água no interior do solo), as cisternas calçadão, de placa e de enxurrada, todas com a mesma função de armazenagem de água.

Além da palma, algumas espécies vegetais também são promissoras como forrageiras na alimentação animal, como o capim buffel, erva-sal (para solos com maior salinidade), gliricídia, guandu forrageiro, leucena, sorgo, milheto, mandacaru sem espinhos, entre outras.

Segundo o assessor técnico da CNA, durante o curso, representantes da Embaixada do México apresentaram a palma forrageira como alternativa de alimento para o ser humano. “A palma e o fruto dela, o figo da índia, são de grande importância para a culinária mexicana. Como o país latino usa a planta apenas para alimentação humana e o Brasil para o animal, a ideia é trocarmos informações e conhecimento para ambos aproveitarem o que palma tem de melhor para oferecer”, concluiu Joaci Medeiros.

Assessoria de Comunicação CNA


Posts Relacionados

Notícias
Resultado 2ª Etapa Processo Seletivo para Supervisor
Notícias
Municípios do interior de Sergipe recebem ações do Senar Saúde
Notícias
Sealba AgroShow: Governo de Sergipe reafirma apoio ao show do agronegócio
Mais Notícias >

Este site utiliza tratativa baseada na Lei Geral de Proteção de Dados Lei nº 13.709/2018. Para saber mais, basta acessar nossa Política de Privacidade.